25.8 C
Brasil
sábado, fevereiro 24, 2024

Unesco aponta problemas no uso de tecnologia em escolas: “falsa boa ideia”

- Advertisement -spot_imgspot_img

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), é preciso ter cautela com o uso de tecnologia nas escolas. Problemas como computadores distribuídos sem trabalho pedagógico prévio, conhecimento básico perdido e divulgação de informações pessoais dos alunos podem trazer efeitos “nefastos”, de acordo com a entidade, e, por isso, a utilização deve ser regulamentada.

A organização não desconsidera a melhora de acesso a recursos de ensino e aprendizagem, sobretudo em regiões como a Etiópia e a Índia, onde bibliotecas online extremamente populares surgiram e o ensino à distância garantiu a educação durante a pandemia da covid-19.

No entanto, essas tecnologias foram promovidas com algumas adulterações por seus fabricantes, segundo a organização. A Unesco apontou que há uma “falta” de dados “imparciais” sobre o impacto das tecnologias educacionais.

“Muitas das evidências vêm de entidades que buscam vender essas tecnologias”, lamenta a organização no estudo chamado “Tecnologias na Educação: Quem está no comando?”, publicado nesta quarta-feira (26).

Foco nos resultados
“Devemos focar nos resultados da aprendizagem e não nos recursos digitais”, destacou a Unesco.

No Peru, “quando mais de um milhão de notebooks não integrados à pedagogia foram distribuídos, o aprendizado não melhorou”, aponta o relatório.

“Nos Estados Unidos, uma análise de mais de dois milhões de estudantes revelou que as desigualdades de aprendizagem se alargaram quando o ensino era ministrado exclusivamente à distância”, continua o texto.

As tecnologias podem ser “desastrosas” se usadas “inapropriadamente ou excessivamente”. A Unesco enfatiza que uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sugere “uma ligação desfavorável entre o uso excessivo de tecnologias de informação e comunicação e o desempenho dos alunos”.

Foi descoberto em 14 países que “a mera proximidade de um dispositivo móvel pode distrair os alunos e impactar negativamente o aprendizado”.

Ética
Somam-se a isso questões éticas, pois “os dados pessoais das crianças estão expostos”. Segundo a Unesco, que citou outro estudo, “89% dos 163 produtos de tecnologia educacional recomendados durante a pandemia poderiam monitorar crianças”. Entretanto, “apenas 16% dos países garantem explicitamente e por lei a privacidade dos dados na educação”.

É inegável que “todos”, inclusive os estudantes, “devem aprender sobre tecnologia”, porque “atualmente ela faz parte de nossas habilidades básicas”, diz o diretor do relatório, Manos Antoninis, em entrevista à AFP.

Mas, de acordo com o diretor, isso não requer necessariamente tecnologia. As “crianças que sabem ler melhor têm cinco vezes mais chances de não serem enganadas por e-mails fraudulentos”, garante o especialista. Isso não requer “nada tecnologicamente avançado, mas boa capacidade de leitura e pensamento crítico”.

Em comunicado à imprensa, a Unesco clama por uma “regulamentação da forma como as novas tecnologias são utilizadas na educação”, onde o governo não atua e há falta de “regulamentação adequada”.

A revolução digital, que tem um “potencial tremendo”, deve ser “enquadrada” na educação, assim como no resto da sociedade, opina a diretora-geral da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Audrey Azoulay.

Ela acrescenta que “a tecnologia deve melhorar o processo de aprendizagem e servir ao bem-estar de alunos e professores, em vez de ser usada em seu detrimento”.

“É preciso colocar as necessidades do aluno em primeiro lugar e apoiar o trabalho dos professores. As interações online não podem, de forma alguma, substituir as interações humanas”, segundo Azoulay.

Ultimas Notícias

Leia também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui