23.5 C
Brasil
sábado, fevereiro 24, 2024

Como Dubai tem utilizado a tecnologia para se tornar uma cidade digital

- Advertisement -spot_imgspot_img

Dubai, cidade nos Emirados Árabes Unidos, pode ser conhecida pela modernidade e por ser a casa do arranha-céu mais alto do mundo (Burj Khalifa). Mas o salto de desenvolvimento é recente. Parte da rota comercial que conectava o Omã ao Iraque, a história de Dubai mudou com a descoberta de petróleo na região pelo Sheikh Rashid bin Saeed Al Maktoum, em 1966, que iniciou a modernização da cidade.

Projetos ambiciosos de infraestrutura foram criados para permitir que a cidade não ficasse dependente do combustível fóssil, transformando o local em um hub de comércio. Em 2022, os Emirados Árabes Unidos atraíram US$ 23 bilhões em investimento estrangeiro, o maior valor registrado pelo país em um ano.

A modernização de Dubai vai além do visual com projetos arquitetônicos majestosos. Desde 1999, a cidade passou a adotar a tecnologia para melhorar a infraestrutura e o atendimento aos cidadãos pelo governo. Em 2021, a iniciativa Digital Dubai foi lançada para potencializar o trabalho e colocar todos os serviços na palma da mão dos moradores.

“Precisamos garantir que nossos investimentos nos aspectos digitais e tecnológicos da cidade resultem sempre em impactos positivos para nossos cidadãos no dia a dia”, disse Moza Suwaidan, CEO do setor de Aplicações Digitais e Plataformas do Digital Dubai, durante o GITEX Global, evento de tecnologia que terminou na última sexta (20/10), em Dubai.

O projeto é dividido em sete pilares: cidade, economia, infraestrutura, talento, competitividade, dados e estatísticas, e cibersegurança. O órgão cria políticas, regulamentações e conexões com o setor privado para permitir o desenvolvimento da cidade no âmbito digital.

Para tirar a carteira de motorista, comprar ou alugar uma casa, resolver pendências de saúde ou organizar os investimentos – ou qualquer outro serviço que dependa do governo –, os cidadãos utilizam o aplicativo Dubai Now. Outra iniciativa do órgão é o Dubai AI, tecnologia de inteligência artificial generativa que pode ser acessada pelo app oficial do governo, e permite que a população tire dúvidas com o uso da linguagem natural.

“Um dos papéis-chave do governo é construir competências e possibilitar o crescimento de pequenas empresas. Temos times locais que são contratados para trabalhar em tempo integral, mas também fazemos parcerias com gigantes internacionais e com pequenos negócios que têm ideias muito mais inovadoras e rápidas de implementar. É uma combinação de stakeholders”, complementa Suwaidan.

O município de Dubai também tem projetos que usam a tecnologia para monitorar questões cotidianas da cidade, como as redes de esgoto, de fornecimento de água, construções e comércios. “Pensamos, com antecedência de 10 anos, em como podemos trazer inovações para a cidade e sua expansão”, afirma Maitha Al Nuaimi, diretora do Centro de Informação Geográfica (Geographic Information System Center) do município de Dubai.

Um gêmeo digital para Dubai
Um dos destaques apresentados durante o GITEX Global foi o gêmeo digital que está sendo criado para Dubai. Iniciado em 2022, o projeto já mapeou 40% da cidade, com previsão de finalização em 2027. Toda a estrutura está sendo registrada em 3D, por dentro e por fora, incluindo o que se encontra abaixo do solo – como canos, cabos e túneis de metrô –, para fazer testes de impacto em caso de acidentes e emergências.

Outra tecnologia sendo testada pela cidade é o uso de imagens capturadas por drones para que a inteligência artificial identifique violações em infraestrutura. “Em Dubai, não é permitido pintar prédios de cores fortes. Queremos manter o ambiente leve para os olhos. A tecnologia pode detectar cores que fogem das regras, além de danos na estrutura ou uma instalação que afete a estética, por exemplo”, acrescenta Al Nuaimi.

A digitalização também é adotada pela segurança pública da cidade. A Polícia de Dubai apresentou um veículo de patrulha autônomo 100% elétrico durante o evento, com bateria que dura 15 horas. Desenvolvido especialmente para rondas em zonas residenciais, o carro é equipado com uma câmera que capta imagens em 360º e inteligência artificial para detectar “comportamentos criminosos, reconhecimento facial e leitura de placas de veículos”, diz o comunicado oficial. Há ainda um drone utilizado para acessar áreas onde o carro de patrulha não consegue entrar.

O órgão de segurança também criou um sistema de inteligência artificial para interagir com os cidadãos na plataforma online a partir de comandos de voz. A ferramenta permite o pagamento de multas de trânsito e o registro de incidentes.

Ultimas Notícias

Leia também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui